​​Medicamentos usados para tratar outras doenças podem comprometer a saúde ocular?

22 novembro, 2021     Nenhum comentário     tech_4dmin

Sabe aquela velha história de que a gente toma um remédio para aliviar um sintoma de uma doença e acaba provocando outras? Pode ser verdade! Acontece que, com o passar dos anos, vamos acumulando uma série de medicamentos no organismo que a gente nem desconfia que causam uma série de efeitos colaterais.

O uso indiscriminado de remédio é uma prática constante na vida das pessoas. Quem não tem uma farmacinha em casa ou alguns comprimidos dentro da bolsa? Surgiu uma dor de cabeça, o analgésico está à mão! O antialérgico nosso de cada dia está sempre a postos para evitar a chegada de uma rinite…

O problema é que muitos remédios agridem a saúde ocular, podendo provocar alteração na retina, visão desfocada e até o desenvolvimento de glaucoma.

Se você faz uso regular de medicação e tem percebido algum incômodo na visão, é melhor observar se a sua farmacinha contém alguns dos medicamentos abaixo:

Analgésicos

A venda de analgésicos no Brasil não é restritiva, ou seja, esse é um fármaco que pode ser comprado sem receita. Indicado para o alívio dos mais diversos tipos de dores, muitos têm ação anti-inflamatória, contendo ácido acetilsalicílico, diclofenaco ou ibuprofeno.

Seu uso indiscriminado pode causar visão dupla ou desfocada, estreitamento da pupila e dificuldade para enxergar no escuro.

Antibióticos

Utilizados para tratar quadros infecciosos, impedem a multiplicação de bactérias no organismo. A sua utilização requer prescrição médica, já que o uso incorreto ou descontrolado pode deixar a bactéria resistente – o que é um perigo coletivo.

No entanto, seu efeito colateral pode afetar também a visão, provocando ardência nos olhos, sensibilidade à luz e, em casos mais graves, a descoloração da córnea. O uso prolongado dos antibióticos pode agravar a saúde dos olhos, evoluindo para o desenvolvimento de catarata.

Anticoncepcionais

O método contraceptivo mais utilizado no mundo também pode afetar a visão. Como existem anticoncepcionais de diversas dosagens e composições, alguns podem provocar ressecamento nos olhos. Esse efeito colateral pode ser contornado com o uso colírio indicado pelo oftalmologista.

É importante observar se o sintoma melhora com o tempo. Caso ele persista, chegando ao ponto de incomodar, converse com o ginecologista para uma possível troca de medicamento.

Antidepressivos

Os fármacos usados para tratar transtornos depressivos, como ansiedade e distúrbio do sono, também podem comprometer a visão. Alguns deles, como citalopram e fluoxetina, estão associados ao desenvolvimento da catarata e outros problemas na retina.

Isso acontece devido ao aumento da quantidade de serotonina, neurotransmissor que regula o humor, sono, temperatura corporal e a sensibilidade a dor, aumentando a opacidade do cristalino.

Antialérgicos

Também conhecido como anti-histamínicos, eles são vendidos livremente nas farmácias, sendo muito utilizados em casos de reações alérgicas.

No entanto, seu uso constante, descontrolado e/ou sem acompanhamento médico pode causar inúmeros efeitos nos olhos, como vermelhidão, ardência, sensibilidade à luz, ressecamento e coceira.

Corticoides

Os corticoides são fármacos poderosos e frequentemente usados para tratamento de doenças graves de origem inflamatória, imunológica, alérgica ou até ligadas a algum tipo de câncer. Por isso, seu uso deve ser controlado para evitar possíveis efeitos colaterais.

A utilização prolongada do medicamento pode causar sérios problemas na visão, como aumento da pressão ocular, danos no nervo óptico e desenvolvimento de catarata e glaucoma.

 

Vale lembrar que cada organismo responde de um jeito diferente aos mais diversos medicamentos. Assim, as pessoas não precisam deixar de tomar remédios em um momento de necessidade; é só evitar a automedicação e utilizar fármacos com acompanhamento médico.

Em caso de desconforto ocular, não utilize colírios sem prescrição médica: busque com urgência um especialista para que ele possa avaliar e indicar o melhor tratamento.

Independentemente do uso de remédios, o recomendável é ter uma rotina de visitas ao oftalmologista, com o objetivo de identificar erros refracionais e diagnosticar outras patologias oculares.

 

Aqui no COA temos uma equipe preparada para atender às diversas necessidades oftalmológicas. Entre em contato com a gente e marque sua consulta!

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 20 =

Cadastre-se em nossa newsletter