Parece, mas não é: conheça a doença que tem sido confundida com conjuntivite

26 março, 2022     Nenhum comentário     tech_4dmin

conjuntivite

O sistema ocular, embora não pareça, pode manifestar uma série de doenças que causam desconforto, baixa na acuidade visual e dores, entre outros sintomas. Contudo, os sinais podem ser parecidos para muitas enfermidades, cabendo ao médico oftalmologista definir o diagnóstico.

Isso é o que acontece com a herpes ocular, uma doença muitas vezes confundida com a conjuntivite. Ela faz com que a maioria dos pacientes se automediquem, por se tratar de uma patologia “familiar”, que já tenha sido vivenciada em uma outra época.

Aqui abrimos um parêntese para a automedicação: ela não é aconselhada em nenhum aspecto, mesmo que o paciente já tenha tido a doença no passado. Sempre é necessária a avaliação médica e prescrição correta do medicamento.

O que é herpes ocular?

A herpes ocular é uma infecção que se manifesta em apenas um olho cuja causa é o vírus do herpes simples, do tipo 1. É o mesmo vírus responsável pelo herpes labial, bem conhecida e até mesmo frequente entre as pessoas de todo o mundo. Outra forma de herpes ocular é pela reativação do vírus da catapora, que, nesse caso, é chamado de Herpes Zoster Oftálmico.

Geralmente, a herpes nos olhos é mais comum em pacientes com mais de 50 anos, aumentando sua incidência com o avançar da idade. Tais infecções vão desde as mais simples, que se resolvem com certa facilidade até as mais complicadas que podem evoluir, em último caso para a cegueira.

A condição que muitas vezes é confundida com a conjuntivite apresenta os seguintes sintomas:

  • Olhos vermelhos e lacrimejantes;
  • Sensibilidade à luz;
  • Sensação de corpo estranho no olho;
  • Dor ocular;
  • Coceira nos olhos;
  • Visão turva;
  • Ardência;
  • Inchaço.

Embora o herpes ocular afete apenas um olho, é possível que a infecção se estenda para o outro, passando a infectar as duas visões, sendo chamado de herpes ocular bilateral.

Como é o contágio do herpes ocular?

Por ser um vírus, o herpes ocular é contagioso e transmitido por meio de contato físico com a pessoa infectada. Normalmente, a infecção é passada para outro indivíduo por meio de secreções, gotículas de saliva, lesões existentes nos lábios e face ou por compartilhamento de produtos contaminados, como é o caso da maquiagem.

Para evitar o contágio, é preciso tomar algumas medidas preventivas, como lavar as mãos frequentemente, evitar levar as mãos aos olhos, ter cuidado ao manusear objetos e roupas infectadas, não utilizar produtos de higiene pessoal de outras pessoas e desinfetar corretamente as lentes de contato.

Tratamento do herpes ocular

O herpes ocular tem cura, porém o tratamento vai depender das características da lesão. De maneira geral, os pacientes respondem bem ao uso de medicamentos antivirais, seja por via oral ou sob a forma de colírios ou pomadas.

Uma substância bastante utilizada no tratamento é o corticoide, principalmente se a doença atingir a córnea. No entanto, eles podem aumentar a pressão dos olhos, devendo ser acompanhado pelo médico, podendo adicionar um outro tipo de colírio para ajudar nesse controle e proporcionar maior conforto ao paciente.

No entanto, é importante fazer uso dos remédios durante o período prescrito pelo médico. Mesmo que o olho já tenha sinais de melhoras, a infecção tende a voltar com a interrupção do tratamento.

No mais, como ocorre com outras condições oculares, quanto mais cedo começar o tratamento, melhor será o prognóstico. Na dúvida, busque ajuda com os profissionais do COA (Centro de Oftalmologia Avançada).

A nossa clínica está apta a avaliar todos os aspectos da sua saúde ocular, pois contamos com tecnologia de ponta e um corpo clínico extremamente preparado. Agende sua consulta com a gente!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − nove =

Cadastre-se em nossa newsletter