Consulta de oftalmologia infantil: como funciona?

09 outubro, 2020     Nenhum comentário     tech_4dmin

Estamos em outubro, mês das crianças. Por isso, reservamos um espaço especial para falar sobre os olhos dos pequenos!

Na verdade, vamos aproveitar o período para reforçar que os cuidados oftalmológicos devem começar cedo, não só no tratamento de doenças oculares, como em caráter preventivo. Ou seja, quanto antes se diagnosticar, antes se resolve!

É fundamental que as crianças tenham acompanhamento oftalmológico desde cedo, a partir dos 12 meses de vida, com consultas de rotina a cada 1 ou 2 anos. Essa é uma medida preventiva importante para evitar problemas nos olhos, incluindo a cegueira.

Geralmente, a consulta dos pequenos é rápida e objetiva, até mesmo para não deixar o paciente irritado. Muitas vezes, a criança pode ser chamada a participar de “brincadeiras” durante os exames, como uma forma de descontrair e deixá-la mais à vontade.

Mas é bom lembrar que nem sempre é possível fazer um exame completo na primeira consulta, ainda que seja importante esse contato para estabelecer uma relação de confiança entre o médico e o pequeno paciente.

Um ponto relevante durante as consultas é que a criança não precisa falar ou ler para saber o quanto ela enxerga. Através de exames específicos, o oftalmologista consegue calcular o grau de óculos independente da informação que a criança passar.

Doenças que podem ser descobertas no exame infantil

Durante as consultas é possível diagnosticar diversas doenças comuns ao público infantil. Boa parte delas tem tratamento, desde que sejam descobertas nos estágios iniciais.

Glaucoma congênito

Muito se fala em aumento da pressão ocular, que se dá devido a um problema no escoamento de um líquido natural que preenche a parte interna no olho, fazendo com que ocorra lacrimejamento, córnea turva, fotofobia e aumento desproporcional do tamanho do olho.

O tratamento pode ser simples, com colírios para aliviar a pressão interna. Porém, em casos mais graves, a cirurgia é indicada.

Ametropia

Também conhecida como erro refrativo, é uma das doenças mais comuns em crianças. Trata-se da focalização inadequada da luz, ocasionando miopia, hipermetropia e astigmatismo.

Estrabismo

Estrabismo ou paralelismo é o desalinhamento dos olhos que causa duplicidade da imagem. Por ser mais comum em recém-nascidos, o ideal é que o tratamento comece o quanto antes, pois as possibilidades de cura são maiores até os oito ou dez anos de idade (quanto mais cedo começar, melhor).

Retinoblastoma

Essa doença é um tipo de câncer que apresenta poucos sintomas, dentre eles o reflexo branco da retina, como resultado de flash nas fotos. Com o diagnóstico precoce e o tratamento correto, as chances de cura são grandes.

Catarata congênita

Essa é uma das principais causas reversíveis de cegueira infantil, na qual ocorre uma opacificação do cristalino, o que impede a construção de imagens nítidas.

Doenças sazonais

São alguns tipos de alergias transmitidas com maior facilidade em determinadas época do ano. É o caso da conjuntivite, inflamação causada por alergias ou por infecções bacterianas ou virais.

Vamos aproveitar o mês das crianças e levá-las a uma consulta com os especialistas do COA?  A prevenção é o melhor presente que você pode dar a elas.

Acompanhe a nossa série especial sobre cuidado com os olhos das crianças. E, se tiver alguma dúvida sobre esse assunto, envie para gente nos comentários!

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze + 13 =

Cadastre-se em nossa newsletter