Os perigos de coçar os olhos

06 fevereiro, 2020     Nenhum comentário     tech_4dmin

perigos de coçar os olhos

Quem nunca levou a mão aos olhos para coçá-los? Mesmo involuntariamente, esse hábito ruim é mais comum do que a gente imagina. 

E tem um detalhe: engana-se quem pensa que apenas as crianças fazem isso com as mãos sujas. Por ser um ato instintivo, qualquer pessoa que tenha algum incômodo na região ocular sente a necessidade de saná-lo imediatamente.

Mas, afinal, por que a gente tem tanta ânsia em coçar os olhos?

O olho é muito sensível se irrita com facilidade. Qualquer situação externa pode interferir na saúde do órgão, provocando ardência, lacrimejamento, vermelhidão e sensibilidade à luz.

Esses sintomas são um prato cheio para que o indivíduo coce e esfregue os olhos de forma repetida e, muitas vezes, até enérgica. Afinal, o incômodo pode ser tanto que se torna desesperador. É como se precisássemos tirar algo do olho urgentemente, antes de arrancarmos o órgão fora.  

Causas de irritação dos olhos

As causas para que essa irritação aconteça são muitas, mas algumas delas merecem destaque por serem mais frequentes. Dessa forma, temos como facilitadores de coceira no olho:

  • Clima seco;
  • Cansaço;
  • Stress;
  • Poeira;
  • Reação alérgica a cosmético;
  • Corpo estranho;
  • Síndrome do olho seco;
  • Doença ocular.

Mas, embora pareça uma solução rápida e prática, coçar os olhos não é tão inofensivo quanto parece. Na realidade, isso pode trazer uma série de complicações e doenças. Muitas vezes a pessoa está com o incômodo em apenas um dos olhos, mas, de tanto coçar, e passar a mão no rosto, o problema é transferido para o outro olho.

Conjuntivite está entre os principais perigos de coçar os olhos

Mas os perigos de coçar os olhos vão muito além. Isso porque as nossas mãos estão sempre em contato com germes e bactérias, o que favorecer a ocorrência de doenças contagiosas, como a conjuntivite.

Essa é uma inflamação que atinge a membrana que reveste o globo ocular e o interior dos olhos, cuja contaminação se dá através das mãos.

Os principais sintomas são ardor, sensação de corpo estranho no olho, vermelhidão, secreção e olhos pregados, principalmente ao acordar. Por ser um processo comumente viral, a conjuntivite tem duração de 10 a 14 dias.

O tratamento, nesse caso, é feito através de higienização dos olhos com soro fisiológico, aplicação de colírios à base de corticoide e repouso. Mas, lembre-se: só o oftalmologista é capaz de prescrever exatamente o protocolo a ser seguido. Não se automedique e nem assuma que está com alguma doença ocular antes de receber o diagnóstico. 

Coçar o olho pode agravar o ceratocone

Outra situação bastante grave em relação a quem coça os olhos é o desenvolvimento de ceratocone, em casos onde a doença degenerativa já está em percurso. Ela pode ocorrer no início da adolescência e progredir com o decorrer da vida.

Ainda que possa ter fundo genético, o ceratocone também está ligado a alergias e ao hábito de coçar os olhos. Afinal, a coceira pode ocasionar lesões que afetam o formato e a espessura da córnea, fazendo com que o indivíduo tenha distorções na visão.

Acontece que a força para coçar os olhos pode fazer com que a córnea fique mais suscetível a alterações, ou seja, se torne mais fina e cônica. As imagens ficam com alguns borrões, chegando, inclusive, à perda acentuada da acuidade visual.

O ceratocone costuma dar sinais, como aumento elevado da miopia e astigmatismo, visão embaçada, coceira nos olhos, sensibilidade à luz, visão dupla, dores de cabeça e círculos ao redor das fontes de luz.

Por isso é importante fazer um acompanhamento oftalmológico desde a primeira infância. Quanto mais cedo a doença for diagnosticada, maiores são as chances de sucesso no tratamento. De forma geral, o tratamento vai depender do estágio da doença. Quanto mais avançada, mais complexo é o protocolo terapêutico.

De olhos bem abertos

Se você, ou alguém da sua família, costuma coçar frequentemente a região ocular, já deve saber que coçar os olhos não é a solução. Melhor marcar sua consulta oftalmológica com um especialista para evitar complicações futuras.

Outra importante orientação quanto aos perigos de coçar os olhos é não usar nenhum colírio por conta própria. Por mais que algum parente ou conhecido tenha a dica ideal de medicamento para aplacar a irritação, não tome isso como realidade para a sua saúde. Afinal, as alergias – e os tratamentos – variam de pessoa para pessoa. 

Em outras palavras, são pessoais e intransferíveis. Lembre-se disso antes de gastar dinheiro à toa na farmácia mais próxima.

Resumindo, se a coceira nos olhos está te incomodando, não coce. Mantenha-se longe da tentação e visite o COA. Nossos profissionais estão preparados para cuidar desse incômodo ocular – e muitos outros. 

Entre em contato para agendar online sua próxima consulta oftalmológica.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 − um =

Cadastre-se em nossa newsletter