Doenças Oculares típicas da primavera

07 novembro, 2017     Nenhum comentário     tech_4dmin

O ano tem quatro estações, e cada uma delas traz motivos diferentes para atentarmos à saúde dos olhos. Se no inverno o clima seco pode causar conjuntivite e outras inflamações, na primavera é o excesso de pólen no ar (além das mudanças bruscas de temperatura) que traz alguns pontos de atenção.

E, como culpar os termômetros ou as abelhas por equilibrar o ecossistema não vai adiantar de nada, o jeito é redobrar os cuidados com a visão e ficar, literalmente, de olho nos sinais de doenças oculares típicas da primavera.

A qualquer sinal de algo errado, consulte seu oftalmologista para uma análise mais detalhada.

Doenças oculares da primavera

 

Não se deixe levar pela ideia de que o verão está logo ali, mesmo porque ele também trará alguns males típicos! Enquanto ele não vem, atente para as doenças abaixo, que podem aumentar de incidência durante a primavera por conta de suas alterações climáticas ou ambientais.

  1. Síndrome do Olho Seco

Não tem jeito: o olho seco é um problema trivial do ano todo. Contudo, na primavera, ele fica ainda mais comum, já que a estação traz uma umidade relativa do ar instável. Isso acaba facilitando sintomas como coceira, vermelhidão, ardor e desconforto dos olhos.

A melhor forma de evitar que a síndrome do olho seco se agrave é resistir à tentação e não coçar os olhos, além de ingerir alimentos ricos em ômega 3 para aumentar a lubrificação natural dos olhos.

Lembre-se que é muito perigoso pingar qualquer colírio sem orientação médica; então, não se automedique. Em casos onde o desconforto não passa, visite um oftalmologista para o tratamento correto.

  1. Conjuntivite

Outra doença comum do inverno que também tem alto índice de ocorrência durante a primavera, a conjuntivite é mais comum nessa época do ano por causa da alta concentração de pólen e outras substâncias no ar.

A melhor maneira de evitar o contágio é lavando bem as mãos e evitando o compartilhamento de objetos como toalhas e óculos, uma vez que a doença é passada através de uma pessoa já infectada para a outra.

Evitar lugares fechados, com ou sem ar condicionado, também é uma boa ideia para não pegar conjuntivite. Visite o médico se você tiver sintomas como olhos vermelhos, inchados e lacrimejantes e visão embaçada. O oftalmologista indicará o melhor tratamento para a doença.

  1. Ceratocone

O ceratocone, que é uma deformação da córnea com aumento da sua curvatura, pode se agravar ainda mais caso a pessoa coce os olhos demais. Como essa estação tem incidência de crises alérgicas, a coceira do olho se torna mais comum, e não resistir a ela pode levar à alteração da espessura e curvatura da córnea – ou seja, ao ceratocone, em pessoas predispostas a esta doença ocular.

Ao se perceber com crise alérgica, não coce os olhos: faça compressas de água fria e marque um oftalmologista o quanto antes, para que ele possa sugerir o melhor tratamento para seus sintomas. Além de evitar que o ceratocone se agrave, um diagnóstico correto e com medicação adequada pode evitar futuras crises alérgicas e, claro, a coceira incômoda.

Quer saber se você está no radar de alguma doença ocular da primavera? Agende uma consulta no COA e faça uma visita preventiva ou diagnóstica para ter ainda mais saúde enquanto o verão não chega.

Fique de olho nas dicas que damos em nosso Facebook também!

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + 17 =

Cadastre-se em nossa newsletter