Fotofobia: como saber se você tem?

11 setembro, 2023     Nenhum comentário     tech_4dmin

Entenda tudo sobre fotofobia: o que ela é, suas causas e sintomas e causas, diagnóstico e possíveis tratamentos, além de formas de lidar com a condição no seu cotidiano.

Provavelmente, você já deve ter vivenciado situações em que a luz causasse um certo incômodo, a ponto de te fazer semicerrar os olhos ou usar algum artifício para quebrar a claridade, como chapéu, boné ou óculos escuro.

No entanto, a fotofobia é mais do que apenas uma aversão normal à luz brilhante ou intensa.

Pessoas com essa condição têm uma reação exagerada à claridade, mesmo em níveis de iluminação considerados regulares para outras pessoas.

Quem sofre com a fotofobia sente muito desconforto quando exposto à claridade, não somente a solar, mas, também, de lâmpadas com iluminação intensa.

Mas, o que vem a ser a fotofobia?

A fotofobia é uma condição identificada por uma sensibilidade excessiva à luz, seja ela natural ou artificial.

Contudo, ela não acontece apenas em dias ou ambientes muito claros, porque está relacionada à alteração dos olhos, independentemente do estímulo que ele receba.

A quantidade de luz que entra nos nossos olhos é controlada pela pupila, assim, quando mais luz, a pupila se contrai, quanto menos luz, ela se expande.

Com esse processo é possível ter conforto visual, permitindo a quantidade correta de iluminação para que o indivíduo tenha uma boa visão.

Porém, em alguns casos, essa regra não se aplica. Olhos claros, por exemplo, têm menor pigmentação, o que dificulta a adaptação na mudança de ambientes, causando, então, maior sensibilidade à luz.

Quais as causas da fotofobia?

Podemos dizer que a fotofobia raramente aparece em olhos que não sejam claros. Isso porque esse desconforto tem como causa a falta de pigmento na íris ou na retina.

No entanto, outros fatores podem motivar o surgimento da doença, tais como:

  • Fatores genéticos;
  • Doenças oculares (glaucoma, catarata, astigmatismo, blefarite, descolamento da retina, calázio e úlcera de córnea, entre outros;
  • Enxaqueca;
  • Encefalite;
  • Colírios que causam dilatação da pupila;
  • Uso de drogas, como cocaína e anfetamina.

Principais sintomas da fotofobia

A fotofobia por si só é um sintoma e não uma doença que se caracteriza pela sensibilidade excessiva à luz.

Porém, ela traz outros sinais que podem vir de forma leve ou grave, dependendo da causa.

Dessa forma, os sintomas mais comuns são:

  • Dor nos olhos;
  • Vermelhidão;
  • Visão embaçada;
  • Dores de cabeça;
  • Ardência nos olhos;
  • Coceira;
  • Visão turva;
  • Lacrimejamento excessivo;
  • Vista cansada.

Esses sintomas podem ser desencadeados por diferentes tipos de luz, como a fluorescente, luzes estroboscópicas ou de telas (desktop, smartphones, etc.).

Diagnóstico e tratamento da fotofobia

Se você suspeita que tem fotofobia, é importante consultar um oftalmologista para obter um diagnóstico preciso.

O médico fará um exame ocular completo, avaliando a saúde geral dos seus olhos e procurando sinais de inflamação ou outras condições oculares que podem estar atrelados à fotofobia.

Além do exame ocular, o médico também pode fazer perguntas sobre seus sintomas e histórico de saúde para entender melhor a causa da fotofobia.

Nesse caso, é importante relatar toda a informação relevante, como histórico de lesões oculares, doenças oculares prévias ou uso de medicamentos ou entorpecentes que podem estar relacionados aos sintomas.

Uma vez que o diagnóstico de fotofobia é confirmado, o tratamento dependerá da causa subjacente.

Em alguns casos, o uso de óculos de sol com lentes especiais que filtram a luz pode ajudar a reduzir os sintomas.

Outras opções de tratamento podem incluir o uso de colírios lubrificantes para aliviar a secura ocular ou medicamentos específicos para tratar a inflamação.

Tem como prevenir a fotofobia?

Além das opções de tratamento médico, existem algumas medidas que você pode tomar para gerenciar a fotofobia no dia a dia:

  • Evite a exposição direta à luz solar;
  • Use óculos de sol com proteção UV para reduzir os sintomas;
  • Ajuste a iluminação dentro de casa, usando cortinas ou persianas para diminuir a intensidade da luz;
  • Mantenha os olhos sempre lubrificados, seja com colírios ou piscando com frequência;
  • Evite ficar muito tempo em frente a aparelhos eletrônicos, como celular, computadores, tablets e televisão.

Por fim, busque sempre ajuda médica sempre que apresentar qualquer sintoma. Quanto mais cedo você for diagnosticado, melhor será a resposta ao tratamento.

A equipe do COA está à sua disposição para consultas, exames, orientação e possível prescrição de medicamentos.

Entre em contato com a gente e marque sua consulta!




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 12 =

Cadastre-se em nossa newsletter