Idosos: quando saber que é hora de procurar ajuda médica para os olhos?

24 setembro, 2018     Nenhum comentário     tech_4dmin

 

Envelhecer é um privilégio. Com o passar do tempo, acumulamos histórias, experiências, amizades e muito conhecimento. É chegado o momento de deixarmos de lado algumas preocupações e nos dedicarmos mais a atividades que antes eram mais restritas, como viajar e ficar mais tempo com a família.

No entanto, sabemos que nem tudo são flores. Lidar com a chegada da idade é ter que estar preparado para os muitos problemas que vão aparecendo: dores pelo corpo, falta de memória, ossos enfraquecidos, sem contar os inúmeros tipos de medicamentos que vão, aos poucos, fazendo parte da nossa rotina.

Entre as principais doenças relacionadas à idade estão as complicações com a visão. Assim como outros órgãos, o olho também envelhece e sofre alteração no seu funcionamento.

Imagine não poder conseguir mais enxergar as pessoas queridas, ler um livro e observar a beleza da natureza. Por isso a importância de estar sempre atento aos sinais dados pelo corpo e procurar o oftalmologista o quanto antes.

As doenças oculares podem aparecer em qualquer momento da vida. Mas, com o avançar da idade, em geral, a partir dos 40 anos, muitas pessoas começam a notar algumas mudanças na visão:

– Perda do foco, tornando mais difícil concentrar a visão mais de perto;

– Dificuldade em diferenciar cores e seus tons, como azul do preto;

– Necessidade de mais luz para enxergar bem ou mais tempo para ajustar os níveis de luz (ir de um espaço escuro para outro mais iluminado).

Na maioria das vezes esses problemas são resolvidos com o uso de óculos de correção, lentes de contato – e até mesmo melhorando a iluminação do ambiente.

Muitas pessoas podem chegar à melhor idade sem sentir mudanças significativas na visão. Mas, à medida em que envelhecemos, aumenta-se o risco de desenvolver doenças que podem levar a perda parcial ou total da visão.

Doenças oculares mais comuns em idosos

Muitas doenças oculares em idosos não têm causa aparente ou conhecida, podendo, inclusive, ser de caráter genético. Contudo, existem associações dessas doenças com tabagismo, diabetes, hipertensão arterial, exposição excessiva ao sol e álcool, para ficar apenas em alguns exemplos.

Essas condições tendem a se tornar cumulativas e aumentar o risco em pessoas com idade avançada.

Veja algumas das doenças oculares mais comuns em idosos:

Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)

É a doença que mais causa cegueira em idosos.

Consiste na degeneração da mácula, estrutura localizada na parte posterior do olho, responsável pela visão central. Seus principais sintomas são o embaçamento da visão central, visualização das imagens com tamanho, cor e contornos alterados, dificuldade em reconhecer as pessoas e presença de manchas escuras na visão central.

A DMRI é comum em pessoas com histórico familiar de obesos e fumantes.

Catarata

Essa alteração pode aparecer em qualquer idade, mas ocorre principalmente após os 60 anos. Nessa faixa, há perda progressiva da transparência natural do olho, também conhecido como cristalino. Ninguém escapará da catarata dita senil, que é aquela decorrente do nosso envelhecimento, a não ser que não viva o tempo suficiente.

A catarata pode ser acelerado por diversos outros fatores, tais como diabetes, traumas oculares, uso crônico de drogas (corticoides), etc.

O principal sintoma dessa patologia é o embaçamento visual, que evolui de forma gradativa até a perda completa da visão. A boa notícia é que o quadro pode ser resolvido por meio de cirurgia, removendo o cristalino e substituindo-o por uma lente artificial.

O bom aqui é que, ao substituir o cristalino natural do olho embaçado, há como calcular o grau da lente intraocular que será implantada para, também, corrigir pelo menos o grau que a pessoa tem para longe e, mais modernamente, também para distância intermediária e para perto com as ditas lentes multifocais intraoculares.

É o que há de mais avançado!

Portanto, a extração de catarata com implante de lente intraocular é, também, uma modalidade de cirurgia para correção de grau.

Glaucoma

Doença genética que se manifesta principalmente na terceira idade. O sintoma é a perda gradual da visão periférica, na maioria das vezes, causada pelo aumento da pressão ocular. O glaucoma é uma das principais causas de cegueiras irreversíveis. Mas a pessoa pode desenvolver a doença mesmo com uma pressão intraocular normal.

O perigo é que o glaucoma é uma doença silenciosa, assintomática e de evolução sorrateira e o diagnóstico somente pode ser feito pela consulta oftalmológica e exames complementares apropriados.

Olho seco

O olho seco pode ocorrer em qualquer pessoa, mas alguns fatores de risco que podem acelerar esse problema. Pessoas com mais de 40 anos são mais propensas ao olho seco, já que, com o passar do tempo, a produção de lágrimas diminui e as células que produzem seus componentes também envelhecem.

Os sintomas são mais frequentes em mulheres, devido a alterações hormonais comuns na menopausa, e em quem faz uso de medicamentos como anti-histamínico, diuréticos, antidepressivos e descongestionantes.

O próprio clima seco também contribui com os sintomas, já que a lágrima evapora com mais facilidade – principalmente quando ficamos horas a fio diante do computador, o que reduz o número de piscadas e a renovação da lágrima.

Qual o momento certo de ir ao oftalmologista?

Existe um conceito, um pouco distorcido, de que só quem utiliza óculos de grau deve procurar o oftalmologista. Na verdade, a consulta ao especialista deve ocorrer sempre, mesmo que não haja qualquer desconforto visual, preventivamente.

As visitas periódicas ao médico são fundamentais para a descoberta precoce de qualquer doença ocular, evitando, assim, seu agravamento.

Mesmo que você já faça o acompanhamento e esteja com os exames oculares em dia, é recomendado ir ao oftalmologista a qualquer sinal de irritação, coceira nos olhos, dores de cabeça e dificuldades para enxergar.

Mas, a partir dos 40 anos, pode ser necessário que a visita se torne mais frequente. Afinal, é a partir desta faixa etária que costuma aparecer a presbiopia, mais conhecida como vista cansada.

Ações preventivas costumam ser eficientes para uma melhor qualidade de vida e visão. Visitar o oftalmologista, evitar remédios sem prescrição médica, não utilizar óculos que não sejam receitados pelo oftalmologista e apropriados para você, ter uma alimentação balanceada e estar de bem consigo mesmo são fatores que auxiliam a preservar a visão até na melhor idade.

Quer saber mais sobre doenças oculares em idosos? Nós, do COA, estamos à disposição para esclarecer suas dúvidas. Entre em contato com a gente e marque sua consulta.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + 18 =

Cadastre-se em nossa newsletter